Cadu Doné

Coluna do Cadu Doné

Veja todas as colunas

A inacreditável burrice do staff de Neymar

Qual “especialista” teve a proeza de achar aquele comercial uma grande ideia?

02/08/2018 às 02:35


Que a publicidade recorre dia sim, outro também, à idiotização, a discursos “edificantes”, “bonzinhos”, banhados de um tipo de politicamente correto, de um falso humanismo, não é novidade para ninguém. Marcas de cerveja, por exemplo, são campeãs no quesito “tratemos adultos como eternos adolescentes bobos”. Já as margarinas seguem quase insuperáveis na arte de fabricar um otimismo tão falso quanto enfadonho. O futebol, por sua vez, parece não conseguir evitar a evocação de um culto costumeiramente artificial à “alegria”. Comum também é a associação do esporte ao sentimentalismo barato e à autoajuda de botequim – Tite e Itaú que o digam. Num rápido parênteses, indico David Foster Wallace e Daniel Galera – coincidentemente grande divulgador do primeiro no Brasil – para ótimas reflexões sobre propagandas.

Tudo que Neymar menos precisava depois de ter virado piada mundial, claramente, era de mais aparições que soassem “fakes”, “construídas”. Silêncio, simplicidade, argumento – talvez dados, informações –, espontaneidade, nível intelectual de manifestações pontuais: eis alguns dos caminhos mais interessantes. Quando me refiro à inteligência, óbvio, não me atenho à erudição, à academia; não esqueço e deixo de dar desconto à falta de acesso aos estudos; não cobro que o jogador explique o “Tractatus” de Wittgenstein. Tampouco aludo à clarividência do atleta, em si. Que num cenário no qual há staff, “gestão de carreira”, “especialistas em comunicação, compreensão das massas, gerenciamento de crises, RP, redes sociais”, ninguém, um elementozinho que seja, ao menos um dos “gurus” deste “esquadrão” não tenha atinado para o evidente tiro pela culatra que seria o anúncio feito, é abismal. Até se a preocupação for estritamente financeira, antes da materialização do desastre anunciado, já dava para cravar: para a “marca” Neymar, inclusive considerando os infinitos intangíveis que gravitam em torno de um nome destes, no mundo maluco do marketing em que vivemos, a conta não fecharia; um milhão nada representaria perto das consequências pecuniárias da mancha iminente.

Justamente pelas contundentes feridas à imagem do nosso “menino” na Copa, a ESPN Brasil promoveu um pertinente “Bola da Vez” com Mário Rosa, “consultor de crises” que, em seu currículo “de respeito”, exibe, entre outros feitos, o trabalho realizado com Ricardo Teixeira – fora contratado para limpar a barra do cartola perante a opinião pública num dos milhões de escândalos que o consumiram. Durante os 90 minutos de programa tentei espremer uma demonstração de expertise, de conhecimento de causa; uma boa sacada; não consegui. A falta de conteúdo do suposto perito revelou-se profunda e irritantemente ululante. Se o intento dele era esconder o jogo, que sucesso! Notando a quantidade de engodos, a enganação, a pouca ciência que permeiam, em grande medida – sob o verniz, a pompa de que ali estão guardiões de privilegiados segredos –, todo um novo campo de marketing, de cuidado/promoção da imagem, talvez começamos a entender como Neymar embarcou numa barca tão cristalinamente furada...  

Se lembrarmos que “Neymar pai”, com a notória sofisticação que lhe é peculiar, é a figura central do time que cuida de todo o extracampo do seu rebento, encontraremos outra pista no sentido assinalado. Ainda este ano, antes da Copa, num entrevero público que o craque teve com Casagrande, sua assessoria já desfilara total falta de tino para ler o que “pegaria bem” diante do povo: respondendo a críticas do comentarista – com as quais nem concordei inteiramente –, algum gênio do seu arsenal de asseclas escreveu no “Insta” do próprio “garoto” – não me digam que foi ele mesmo... – um texto completamente inapropriado, que ao invés de referir-se minimamente ao mérito da questão resolveu agredir – sem nenhuma fineza, e exalando preconceito – o interlocutor. Falava-se cruelmente do passado de Casagrande com drogas; mencionaram que o atacante não tinha sido bom jogador – o que nem é verdade, nem tinha a ver com o debate. Enfim... Seria pior se ele não tivesse staff?

Escreva seu comentário

Preencha seus wdados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Até onde vai a influência da igreja na decisão de manter a virgindade antes de casar? https://t.co/adiRV180IY Confi… https://t.co/9w1G38CdST

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Na terceira reportagem da Série Especial: 'Eu Escolhi Esperar', psicanalista defende que o sexo deve sim ser contido. Leia ou ouça a reportagem completa! 👇🏿

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    🚦Segue totalmente interditada a BR-262 na altura do km 460, em Nova Serrana, devido a um acidente envolvendo um carro de passeio e um caminhão. As oito vítimas foram socorrid...

    Acessar Link