Clique e ouça
Carregando ...
Apresentação
Ursula-nogueira
Coluna da Ursula Nogueira
17/11, 19:33 h

Menos, STJD, bem menos...

Menos, STJD, bem menos...

Foto: Ricardo Rimoli/AGIF/Estadão Conteúdo

Se a decisão da Copa do Brasil estava meio “abafada” pelos dois próximos jogos do Brasileirão, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) logo deu um jeito de colocar holofotes na finalíssima. Em decisão na última quarta-feira, o Grêmio foi punido com perda de mando de campo da segunda partida da final pela entrada em campo da filha do técnico Renato Gaúcho, Carol Portaluppi, ao fim da partida contra o Cruzeiro pela semifinal.

A punição foi baseada no Art. 213, inciso II, do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, por “deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir invasão do campo ou local da disputa do evento desportivo”.

É indiscutível que a decisão da Comissão Disciplinar do STJD tenha sido desproporcional ao fato em questão. E respeito os que pensam contrário. Mas não concordo. Carol errou ao entrar no gramado, mas não ofereceu nenhuma gravidade ou interferiu no andamento da partida.

O que não entendo é a aplicação de uma punição tão severa ao clube quando a filha de seu treinador entra em campo para comemorar uma classificação para a final. Por outro lado, quando torcidas organizadas brigam, interrompem a partida e colocam em risco a segurança de todos os presentes no estádio, a punição é proibir a presença da organizada. Realmente, Carol Portaluppi é uma ameaça à segurança no estádio!

O Mestre em Direito Desportivo e colunista do site da Rádio Itatiaia, Dr. Gustavo Lopes, escreveu em sua coluna: “o rigor da primeira instância indica preocupação em conferir caráter pedagógico ao fato e evitar situações semelhantes no futuro. Portanto, a decisão que retirou o mando do Grêmio não é definitiva e a finalíssima da Copa do Brasil tem tudo para ocorrer na casa do clube gaúcho”.

Compreendo que é preciso aplicar uma punição ainda que seja pedagógica para evitar reincidência ao caso, desde que esta punição tenha o mínimo de coerência com as demais tomadas pelo STJD. Pagamento de multa, por exemplo, já era o bastante. O que não é o caso.

O Grêmio recorreu da decisão e tudo voltou ao normal. Hoje a tarde saiu a liminar liberando o Tricolor Gaúcho para jogar no seu estádio. Mas mesmo diante disso vale muito a discussão. A não ser que mais alguém resolva aparecer nesta história... 

Comentários

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).

Ouvindo: