Clique e ouça
Carregando ...
Apresentação
Wellington-campos
Coluna do Wellington Campos
07/01, 12:25 h / Atualizado em 10/01, 10:33 h

Fifa quer juntar Conmebol e Concacaf nas Eliminatórias

Fifa quer juntar Conmebol e Concacaf nas Eliminatórias

Embed from Getty Images

A Fifa marcou para terça-feira (10), em Zurique, na Suíça, reunião para tratar da expansão da Copa do Mundo a partir de 2026. Mais de 200 países vão opinar qual o novo formato a ser seguido.

O presidente da entidade, Gianni Infantino, viajou pelos continentes propondo inicialmente 40, e, depois, 48 seleções no mundial. Lógico, o interesse financeiro está no topo dessa proposta. Para muitos, a parte técnica ficou em segundo plano. Porém, com mais seleções, mais jogos, torcedores, direitos de TV e um caminhão de novas oportunidades de faturamento.

Outra novidade é a ideia pessoal de Infantino de juntar nas Eliminatórias os torneios das confederações Conmebol e Concacaf. Seria ainda mais emocionante as classificações para o Mundial de 2026.

O Brasil será representado por um dos vice-presidentes da CBF, Fernando Sarney, homem da entidade na Conmebol e na Fifa.

O domingo (8) será de reuniões dos dez países da América do Sul que disputam as Eliminatórias. Eles votarão em bloco na terça-feira, depois de fechar uma proposta única. A Conmebol espera herdar seis vagas e meia na Copa do Mundo a partir de 2026. A sétima vaga seria disputada com uma seleção de outro continente.

A Fifa vai colocar na mesa duas propostas: 40 ou 48 seleções, discutindo cinco ou seis fórmulas de disputa.

Depois de o brasileiro João Havelange aumentar o número de participantes do mundial, de 16 para 24, e a partir de 1998 para os atuais 32 países, o suíço/italiano Gianni Infantino tenta expandir o principal torneio de futebol do planeta.

Comentários

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).

Ouvindo: