Clique e ouça
Carregando ...
Apresentação
por Agência Estado em Jornalismo / Atualizado

Após alegações, Rússia nega que tenha material comprometedor contra Trump

Embed from Getty Images

A Rússia negou nesta quarta-feira que tenha material comprometedor sobre o presidente eleito nos EUA, Donald Trump, chamando um dossiê de alegações não comprovadas de "absoluta fabricação" e uma tentativa de danificar as relações entre os EUA e a Rússia.

A rede CNN divulgou ontem que chefes das agências de inteligência dos EUA informaram na semana passada ao presidente eleito Donald Trump que espiões russos acreditam ter dados pessoais e financeiros comprometedores contra ele. O alerta foi repassado também ao presidente Barack Obama. No entanto, a veracidade das alegações não foi comprovada.

Pelo Twitter, Trump disse que as notícias são falsas e “uma caça às bruxas total”. Os dados foram apresentadas em uma sinopse de duas páginas anexada ao relatório sobre a interferência russa na eleição de 2016. Os chefes de inteligência decidiram incluir a sinopse para demonstrar que a Rússia compilou informações potencialmente prejudiciais aos dois partidos, mas só divulgou informações contra Hillary Clinton e os democratas.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, rejeitou o relatório, segundo o qual a Rússia possui material que pode ser usado para chantagear Trump, como "ficção policial", segundo agências de notícias russas.

"Esta é uma clara tentativa de prejudicar nossas relações bilaterais", disse ele. "Verdadeiramente, há aqueles que chicoteiam acima desta histeria, que quebrarão seus pescoços para suportar esta caça da bruxa"

Peskov disse que o Kremlin não estava envolvido na coleta de informações comprometedoras sobre ninguém, incluindo a candidata presidencial democrata Hillary Clinton.

Autoridades dos EUA confirmaram que um resumo das informações foi dado a Trump. Eles disseram que compartilharam essas informações não comprovadas, pois o novo presidente deve estar ciente de alegações que estão sendo feitas contra ele, e que poderiam se tornar públicas.

As agências de inteligência continuam a investigar as alegações, disseram as pessoas familiarizadas com o assunto.

Entre as acusações, existem uma série de memorandos confidenciais feitos por uma autoridade que alegou que um advogado de Trump, Michael Cohen, que se reuniu com autoridades do Kremlin e discutiu como organizar pagamentos em dinheiro para hackers que trabalhassem sob a direção de Moscou contra a campanha presidencial de Hillary Clinton. O FBI não encontrou nenhuma evidência de que ele viajou para a República Tcheca, onde a reunião teria ocorrido em agosto do ano passado, disseram autoridades.

Cohen, em uma entrevista, negou qualquer reunião. Ele disse em uma entrevista na noite de terça-feira que ele nunca havia sido contatado pelo FBI ou qualquer outra agência dos EUA sobre essas questões. Ele disse que Trump também não contatou com ele sobre isso. Cohen disse ainda que ele já sabia sobre as alegações porque ele havia sido contatado por jornalistas.

A pessoa que compôs o dossiê trabalha para uma empresa de investigação privada e foi contratada por republicanos e democratas para investigar Trump, de acordo com uma autoridade próxima ao assunto. Seus relatórios têm circulado por meses entre a aplicação da lei e agências de inteligência, bem como escritórios do Congresso e de notícias. Enquanto as agências dos EUA não puderam verificar as alegações, o ex-funcionário que produziu o relatório tem um histórico longo e respeitado entre os oficiais de inteligência. 

Comentários

Aviso: O espaço abaixo é destinado para debatermos o tema e criticar ideias. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira alguma. Por isso, nos damos ao direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).

Ouvindo: