Clique e ouça
Carregando ...
Apresentação
por Agência Estado em Esporte / Atualizado

Inter só empata com Fluminense e é rebaixado pela primeira vez na história

Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo

De nada adiantaram as polêmicas fora dos gramados e a demonstração de garra e paixão de sua torcida. Com o empate neste domingo com o Fluminense, por 1 a 1, no Estádio Giulite Coutinho, em Mesquita, pela última rodada do Campeonato Brasileiro, o Internacional viveu o pior momento de sua história. O gigante gaúcho, tricampeão brasileiro e de nomes gloriosos como Figueroa, Batista, Falcão e Taffarel, foi pela primeira vez rebaixado à Série B.

Falcão, aliás, ícone maior da vitoriosa história colorada, é ironicamente um nome que ajuda a explicar a derrocada. Durante um ano, a diretoria do Internacional cansou-se de errar. Teve quatro técnicos apenas em 2016, apostando em nomes com poucos trabalhos sólidos nas últimas temporadas, como Argel Fucks, Celso Roth e Lisca, além do próprio Falcão. Também não se rogou ao contestar o contrato de Victor Ramos com o Vitória e apelar desesperadamente ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Fez inclusive, polêmicas declarações envolvendo a tragédia da Chapecoense, time que recebeu bonitas homenagens na rodada deste domingo.

E o resultado de tantos erros foi o implacável rebaixamento. O Internacional, que chegou a liderar o Brasileirão nas rodadas iniciais, acabou apenas em 17º lugar, com 43 pontos. Já o Fluminense, após disputar uma vaga na Copa Libertadores durante parte do campeonato, terminou em 13º, com 50 pontos, bem distante de seu objetivo, mas com vaga garantida na próxima Copa Sul-Americana.

Precisando da vitória e de uma combinação de resultados, o Internacional iniciou com uma escalação ofensiva, com Alex na lateral esquerda, Anderson na armação e Vitinho e Nico López formando a dupla de ataque. O nervosismo, contudo, era evidente. A equipe pouco conseguia trocar passes. E o Fluminense, apesar de já ter dado férias a alguns titulares, dominou todo o primeiro tempo.

A primeira boa chance veio aos 13 minutos, quando Gustavo Scarpa recebeu na entrada da área e bateu rasteiro, exigindo boa defesa de Danilo Fernandes. O meia, aliás, era o destaque do jogo. Pouco depois, da intermediária, ele bateu falta com perigo - a bola saiu raspando a trave. E, aos 35, após bom cruzamento do armador, Wellington recebeu dentro da área e chutou por cima.

O Internacional, por sua vez, seguia encurralado. Lisca chegou a inverter a posição de Alex - Anderson foi para a lateral -, mas a alteração não surtiu qualquer efeito. O que já era difícil ficou ainda pior quando, após rápido contra-ataque, Henrique Dourado cruzou e Alex cometeu pênalti em Richarlison. Na cobrança, o próprio atacante bateu rasteiro e Danilo Fernandes fez grande defesa, renovando as esperanças para o segundo tempo.

Mas o panorama pouco mudou na etapa final. Sem padrão tático, com um time confuso e dependente das individualidades, o Internacional se mantinha apático e não conseguia criar, apesar da necessidade indispensável da vitória. Já o Fluminense seguia melhor e quase abriu o placar logo aos dois minutos. Após passe de Scarpa, Wellington recebeu sozinho, saiu frente a frente com Danilo Fernandes e tentou um toque por cobertura. A bola, contudo, saiu fraca e sem direção.

Aos dez minutos do segundo tempo, a situação se tornou ainda mais dramática. O Sport fez 1 a 0 sobre o Figueirense, resultado que rebaixava o Internacional independentemente do resultado no Giulite Coutinho. Sem força, o time gaúcho apenas observava o Fluminense jogar. Aos 14, sozinho, Richarlison recebeu dentro da área e desperdiçou outra boa chance.

Somente aos 17 o Internacional chegou com perigo. Após cobrança de falta, Ernando aproveitou rebote e bateu fraco, no meio do gol. Era pouco. Lisca ainda colocou Andrigo e Gustavo Ferrareis - respectivamente nos lugares de Alex e Valdívia -, mas o abatimento e a falta de inspiração prosseguiam.

O rebaixamento se consolidava minuto a minuto. O time gaúcho até buscou ampliar o ímpeto ofensivo. A pressão, porém, pouco surtia efeito. Perdido, o time em campo parecia o retrato de sua desastrada diretoria. Até que aos 27, lacrando o inevitável, Douglas recebeu passe da entrada da área, bateu colocado e abriu o placar ao Fluminense. Ferrareis ainda descontou aos 42 para o Inter, mas o gol em nada mudou o panorama.

À torcida colorada, atônita e aos prantos, restou apenas aguardar o apito final. E, assim, em meio ao cenário desolador, na mesma semana em que seu rival Grêmio sagrou-se campeão da Copa do Brasil, o Internacional foi rebaixado à Série B do Campeonato Brasileiro.

FLUMINENSE 1 x 1 INTERNACIONAL

FLUMINENSE - Júlio César (Marcos Felipe); Wellington Silva, Ygor Nogueira, Henrique e William Matheus; Edson, Douglas e Gustavo Scarpa; Wellington, Richarlison (Marcos Junior) e Henrique Dourado (Pedro). Técnico: Marcão.

INTERNACIONAL - Danilo Fernandes; William, Paulão, Ernando e Alex (Andrigo); Anselmo, Rodrigo Dourado, Anderson e Valdívia (Gustavo Ferrareis); Vitinho (Ariel) e Nico López. Técnico: Lisca.

GOLS - Douglas, aos 27, e Gustavo Ferrareis, aos 42 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Marcos Junior (Fluminense); Alex (Internacional).

RENDA - R$ 73.400,00.

PÚBLICO - 3.377 pagantes (3.847 presentes).

ÁRBITRO - Heber Roberto Lopes (Fifa/SC).

LOCAL - Giulite Coutinho, em Mesquita (RJ).

Comentários

Aviso: O espaço abaixo é destinado para debatermos o tema e criticar ideias. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira alguma. Por isso, nos damos ao direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).

Ouvindo: