Ouça a rádio

Compartilhe

Policial descumpre medida protetiva e ameaça mulher: 'veremos se um papel resolve'

Policial militar foi preso. A informações foram divulgadas pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG)

Policial foi preso preventivamente

“Veremos se um papel resolve”. Foi o que disse um policial militar depois de descumprir medida protetiva e ameaçar uma mulher, em São Francisco, no Norte de Minas. O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) obteve nessa quinta-feira (30) decisão judicial favorável ao pedido de prisão preventiva.

O agente público descumpriu medida protetiva de urgência aplicada em favor de uma mulher com quem ele manteve relacionamento e, na última terça-feira (28), ameaçou “quebrar os dentes dela” em uma festa realizada no Povoado da Jiboia.

De acordo com a 1ª Promotoria de Justiça de São Francisco, o policial e a vítima mantiveram contato amoroso no ano de 2017.

Após o término, o homem criou perfis falsos em redes sociais com nomes de outras pessoas e, com o tempo, ganhou a confiança da vítima, - de modo a obter dela vídeos contendo cena de sexo e nudez.

Foi então que o investigado passou a divulgar os vídeos íntimos e fotografias dela em vários grupos de Whatsapp, mandando-os, inclusive, para a mãe e o cunhado da vítima.

O policial ainda ameaçou a moça, dizendo que, se ela continuasse a manter contato com outro homem, a mataria na frente de todos e, em seguida, tiraria sua própria vida.

Com medo das ameaças, a vítima requereu medidas protetivas de urgência, que foram deferidas no último dia 21.

De acordo com a determinação da Justiça, o investigado dever manter distância mínima de 300 metros da vítima, não frequentar a residência dela ou manter contato por qualquer meio de comunicação.

No entanto, descumprindo a ordem judicial, o policial continuou fazendo contato com a mulher e a ameaçando.

Na decisão judicial, o magistrado destaca que o fato de o investigado ser policial e possuir posse de arma de fogo aumenta o risco de um ato contra a vida da vítima.

Em nota, a Polícia Militar afirmou que "prestou todo apoio à vítima e, inclusive, o caso já está em poder da Patrulha de Prevenção à Violência Doméstica e Familiar (PPVD), para ser devidamente acompanhada". A corporação instaurou procedimento interno para apurar a conduta do militar e, "em razão de se tratar de questões familiares, o procedimento segue em sigilo".

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store