Ouça a rádio

Compartilhe

Estados Unidos acusam brasileiros de operar esquema de pirâmide com criptos

Eles supostamente arrecadaram US$ 40 milhões e os desviaram para contas pessoais

Brasileiros são acusados de ter desviado US$ 40 milhões

Emerson Sousa Pires e Flavio Mendes Gonçalves, fundadores da Empires Consulting Corp. "EmpiresX", são acusados pelo governo dos EUA por fraude financeira com criptomoedas. A Securities and Exchange Commission (SEC), que fiscaliza e regulamenta o mercado de valores mobiliários no país, apresentou acusações contra a empresa. 

A agência informa que a EmpiresX, fundada em 2020 e com sede na Flórida, opera um suposto esquema de pirâmide. O caso envolve, ainda, a polícia federal americana (Federal Bureau of Investigation – FBI) e a Agência de Investigações de Segurança Interna dos EUA (Homeland Security Investigations – HSI).

Segundo a SEC, os brasileiros, em parceria com o americano Joshua David Nicholas, são responsáveis por um esquema que supostamente arrecadou cerca de US$ 40 milhões (R$ 212 milhões) a partir de falsas promessas de ganho de 1% ao dia. A EmpiresX vendia investimentos no mercado de criptomoedas, mas desviou milhões de dólares para as contas pessoais dos envolvidos.

A denúncia aponta que a companhia oferecia os serviços de um robô, mas esse sistema nunca existiu. Os réus, então, supostamente tomaram para si o dinheiro dos investidores e o usaram para alugar carros de luxo, comprar em lojas de grifes e adquirir casas maiores, entre outros.

Como garantia aos investidores, os acusados diziam que já solicitado autorização à SEC para se tornar um fundo de investimento regulado pelo órgão — o que era mentira. Além disso, afirmavam que o americano Nicholas era licenciado pela agência financeira do país e podia atuar no segmento. A SEC aponta, entretanto, que a licença estava suspensa por acusação de apropriação indevida de fundos de clientes.

Quando o esquema começou a falhar, os acusados bloquearam as solicitações de saques e reembolso, e deixaram os EUA. Pires e Gonçalves podem pegar até 45 anos de prisão se forem condenados enquanto Nicholas está sujeito a uma pena de 25 anos, por ter participação menor na ação.

Essa não é a primeira vez que o governo americano aciona Pires por fraude. Em maio, a SEC o acusou de participação na Mining Capital Coin. Ele é apontado, em conjunto com Luiz Carlos Capuci Júnior, de fraude financeira global — sempre com promessas de ganhos expressivos envolvendo criptomoedas.

Sasha Meneghel processa Rental Coins

Conhecido como sheik das criptomoedas, Francisley Valdevino da Silva ficou conhecido depois que Sasha Meneghel procurou a Justiça para acusar sua empresa, a Rental Coins, de ser uma pirâmide financeira. Sasha diz que teve prejuízo de R$ 1,2 milhão. Outros clientes se queixam de bloqueios de saques e de dinheiro. 

A companhia prometia retorno de até 5% ao mês aos investidores. Em 18 de fevereiro, foram registradas 40 reclamações de não pagamento de quantias contratadas no site Reclame Aqui.

A empresa, então, admitiu o calote e enviou comunicado genérico aos clientes. “Sabemos o quanto é desconfortável passar por esse tipo de experiência, por isso nos desculpamos. Identificamos em nosso sistema a sua pendência e informamos que trabalharemos para resolvê-la o mais rápido possível. Iremos lhe enviar uma mensagem via WhatsApp com informações mais detalhadas. Atenciosamente, Equipe Rental Coins.”

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store