Ouça a rádio

Compartilhe

Em nova reviravolta na Justiça, PROS volta a ser comandado por ala ligada a Lula

Em uma semana, partido trocou de direção por três vezes graças a decisões do STJ e STF; candidatura de Pablo Marçal deve cair

Dirigentes do PROS se reuniram com Alckmin para fechar aliança para Presidência

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski decidiu, nesta sexta-feira (5), devolver o comando do Partido Republicano da Ordem Social (PROS) a Eurípedes Júnior. Com a decisão, a direção do partido volta ao grupo que firmou aliança com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta semana.

No despacho, o ministro lembrou de decisões "contraditórias" do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que "alteraram a composição partidária em um espaço de três dias". E, que há um "quadro de instabilidade e insegurança jurídica que se cria no cenário das eleições gerais".

"No tocante ao risco da demora, tenho que este se encontra evidenciado ante a iminência do fim do prazo para a realização das convenções partidárias, nos termos do Calendário Eleitoral", afirmou Lewandowski. A guerra de liminares que tem mudado, nos últimos dias, a direção do partido tem tornado incerta a aliança com o PT.

Até o dia 31 de julho, o comando da legenda estava nas mãos de Marcus Holanda, responsável por lançar a candidatura do influencer Pablo Marçal à Presidência. Foi neste dia que o vice-presidente do STJ, Jorge Mussi, decidiu, em meio ao plantão, devolver o partido a Eurípedes. O dirigente logo reassumiu a legenda e fez uma reunião com o ex-presidente Lula para declarar apoio à sua candidatura.

No dia seguinte, o ministro Antonio Carlos, que é relator da ação, decidiu reformar a decisão e dar o PROS de volta a Marcus Holanda. Com a decisão de Lewandowski, o partido volta a ser comandado por Eurípedes.

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store